Mormon Newsroom
Notícia

Igreja conclui doação de 600 mil máscaras para o Governo do Estado de SP

A ação faz parte do projeto nacional para confecção e doação de 3 milhões de máscaras em todo o país

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias entregou o último carregamento de máscaras produzidas pelas Indústrias Behivee, a fábrica de roupas da Igreja, direcionado à Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo. Devido à pandemia de COVID-19, as operações originais da fábrica foram suspensas, porém após solicitação por parte do Governo, um time de 32 profissionais retomou às atividades para confeccionar as peças de proteção destinadas à famílias carentes.

A ação faz parte de um projeto nacional que une esforços de voluntários do Programa Mãos que Ajudam, membros e amigos da Igreja, para confecção e doação de 3 milhões de máscaras em todo o país, especialmente nas cidades do Brasil onde a Igreja está devidamente organizada.

 

As 600 mil unidades foram produzidas na fábrica de roupas do Centro de Distribuição, localizado no município de Embu, região metropolitana de São Paulo. A equipe confeccionou cerca de 12 mil máscaras por dia. Esta iniciativa é um dos esforços da Igreja de Jesus Cristo em atender as pessoas que necessitam de alguma forma de apoio e amor.

As fábricas da Igreja no Brasil, México, Paraguai, Filipinas e nos Estados Unidos alteraram suas produções para confeccionar máscaras e itens de segurança pessoal. As instalações interromperam temporariamente a fabricação de roupas religiosas para confeccionar máscaras (em todos os locais) e aventais hospitalares (somente Utah) necessários para os profissionais da saúde.

Célia Parnes, secretária de Desenvolvimento Social do Governo do Estado de São Paulo agradeceu pessoalmente a doação realizada pela Igreja. “As máscaras de pano tem garantido proteção de pessoas de nosso Estado. Sou imensamente grata a cada um dos voluntários da Igreja de Jesus Cristo pelo empenho e pelo trabalho feito com tanto amor”, reconheceu a secretária.

Parnes também destacou a técnica e a alta produtividade dos funcionários da fábrica da Igreja.  As máscaras foram distribuídas para pessoas em situação de vulnerabilidade atendidas pelo governo, como nos abrigos de idosos, nos lares das famílias beneficiadas pelo programa Criança Feliz e nos restaurantes Bom Prato que redistribui os materiais a moradores de rua.

“Essas máscaras tem garantido a proteção das pessoas mais vulneráveis”, concluiu Celia Parnes.

Dante Parronchi, gerente do Centro de Distribuição da Igreja explica que a organização religiosa tem como princípios básicos a autossuficiência e o amor ao próximo. “Temos que ajudar durante essa crise. O trabalho das pessoas aqui é de amor ao próximo, para atender aqueles que mais precisam”. E para suprir a demanda pelo material, Parronchi esclarece que “todas as medidas de segurança foram tomadas na linha de produção”.

Os funcionários que estão na linha de frente da produção enxergam a iniciativa como uma grande benção. A costureira Amanda Aguiar conta que pensa muito nas pessoas que não tem como comprar esses equipamentos de segurança. “Nós somos privilegiados por fazermos parte desse projeto. Saber que estou fazendo esse trabalho me aproxima do meu Salvador e isso é gratificante”.

Para Sidnei Monteiro, que também atua como costureiro na fábrica da Igreja, seu trabalho é um serviço prestado à comunidade. “É uma gratidão e uma felicidade muito pessoal. Nós funcionários vemos a importância de ajudar as pessoas e levar esperança a elas”, declarou.

Em abril, a Primeira Presidência de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias anunciou um esforço global contínuo para lidar com a pandemia do COVID-19. Entre os muitos projetos em andamento, os recursos e voluntários da Igreja estão sendo usados ​​para ajudar a fazer máscaras faciais e outros equipamentos de proteção necessários para os profissionais de saúde que atuam na linha de frente.

Observação de Guia de Estilo:Em reportagens ou notícias sobre A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, por favor utilize o nome completo da Igreja na primeira referência. Para mais informações quanto ao uso do nome da Igreja, procure on-line pelo nosso Guia de Estilo.